Durante a 2ª. Invasão Francesa foi morto numa emboscada em Ul um oficial de grande prestígio entre os Franceses, sobrinho do Marechal Soult, então Comandante da Invasão Francesa a Portugal.
Descoberto o autor da emboscada bem como a sua origem, cumprindo um edital do Marechal Junot, Arrifana foi entregue à custódia do fogo, refugiando-se a população alarmada na Igreja, onde se julgava a salvo.
O dia 17 de Abril de 1809 haveria de ficar marcado para sempre na memória do Povo de Arrifana. Os soldados franceses invadiram o templo, selecionando todos os homens e rapazes válidos, “quintados” (contavam cinco a cinco e o último era escolhido) que seriam de seguida arcabuzados num lugar da freguesia de seu nome Buciqueira.
Tal tragédia marcou para sempre Arrifana e as suas gentes. O sofrimento provocado por tal atrocidade provocou neste povo um sentimento de pertença e bairrismo invulgar, que ainda hoje perdura na população nativa de Arrifana!